Google+ Followers

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Nova Iguaçú

Centro de Nova Iguaçú



Nova Iguaçu, Região Metropolitana (região da Baixada Fluminense), em 1940. O vocábulo "Iguaçu" é um termo proveniente do tupi, originalmente 'y-gûasu. Seu significado é "rio grande" ou ainda "água grande", através da junção dos termos 'y (rio, água) e gûasu (grande). É uma referência dos índios jacutingas, naturais da região, ao Rio Iguaçu, outrora um rio caudaloso. Antes dos portugueses chegarem ao Rio de Janeiro (1503), os índios jacutingas já habitavam a margem ocidental do Rio Iguaçu. Esses índios ajudaram os franceses quando eles chegaram à região. Após a divisão do Brasil em capitanias hereditárias, as terras que hoje constituem o município de Nova Iguaçu ficaram por muito tempo relegadas ao completo abandono. Foi depois de 1566 que se registrou na região a existência de sesmarias, as quais, com o correr dos anos, se foram modificando e concorrendo, desse modo, para a gradativa colonização dessa zona da Baixada Fluminense, em torno dos rios, especialmente do Iguaçu. Com o aumento da população, surgiram várias freguesias, destacando-se a de Nossa Senhora da Piedade de Iguaçu, também conhecida como Nossa Senhora da Piedade do Caminho Velho, cuja criação data de 1719. A prosperidade agrícola da região vem dos tempos em que foram concedidas as primeiras sesmarias. Os cursos fluviais existentes, não só fertilizavam as terras, como também serviam de via de comunicação com a cidade do Rio de Janeiro, para onde se escoava a produção. Cultivavam-se extensas áreas, que produziam quantidades consideráveis de arroz, feijão, mandioca e principalmente cana-de-açúcar. O café, cuja cultura se tentou introduzir na região, não deu os resultados esperados, o que redundou no abandono do plantio. Situada à margem do Rio Iguaçu, a sede da vila prosperou bastante. Chegou a tornar-se um dos empórios da cidade do Rio de Janeiro, fazendo chegar seus produtos por via fluvial ou terrestre. O progresso da região levou o Governo a conceder-lhe autonomia, efetivada por Decreto de 15 de janeiro de 1833. A vila instalou-se a 27 de julho do mesmo ano. Tão logo se iniciou o tráfego da Estrada de Ferro D. Pedro II, atual Central do Brasil, verificou-se o abandono da via fluvial, que determinou o desvio da zona da influência comercial e agrícola para as bordas orientais do município. Entre as localidades que surgiram à margem da via férrea, tomou rápido impulso a denominada Maxambomba, para onde, a 1º de maio de 1891, se transferiu a sede do município. Ainda no mesmo ano, em junho, o Decreto n.º 263 elevava a vila à categoria de cidade. Somente a 9 de novembro de 1916 foi o topônimo da mesma foi mudado para Nova Iguaçu. Na foto a Igreja de Santo Antônio de Jacutinga. Acervo da Cúria Diocesana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários