Google+ Followers

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Magé



Magé, Região Metropolitana (região da Baixada Fluminense), em 1958. Quando da chegada dos colonizadores portugueses à região, no século XVI, toda a região ao redor da Baía de Guanabara era ocupada pelos índios tupinambás. O atual município tem origem no povoado de Majepemirim, fundado em 1566 por colonos portugueses. Possuía um dos principais portos da região, onde muitos navios negreiros descarregavam os escravos. Em 1696, foi criada a freguesia e, em 1789, o conselho com a designação atual. A vila foi elevada a cidade em 1857. Durante a monarquia, foi criado o baronato de Magé em 1810. Este foi elevado a viscondado em 1811. A freguesia foi criada, com a denominação de Magé, por alvará, no dia 18 de janeiro de 1696. Elevado à categoria de vila com a denominação de Magé, por força do ato de 9 de junho de 1789, o seu território foi constituído com terras desmembradas do município de Santana de Macacu e da cidade do Rio de Janeiro, inclusive ilhas do pequeno arquipélago de Paquetá. Era constituído de cinco distritos: Magé, Guapimirim, Suruí, Inhomirim e Guia de Pacobaíba, instalados em 12 de junho de 1789. Em Magé, está situada a primeira ferrovia do Brasil, criada pelo Barão de Mauá. Lá estão também as ruínas do porto mais importante do Brasil colônia, o Porto Estrela, de onde todo o ouro que vinha de Minas Gerais era embarcado até o Rio de Janeiro. Também no município se enfrentaram as forças do governo de Floriano Peixoto e da Marinha, que eram liderados por Saldanha da Gama, num episódio que ficou conhecido como a Revolta da Armada. Dentre os seus pontos turísticos, podemos citar o Poço Bento, com água benta pelo jesuíta José de Anchieta. Outro atrativo é a Estrada de Ferro de Guia de Pacobaíba, hoje desativada, mas que, outrora, fazia a ligação com a cidade de Petrópolis. A família imperial tomava uma barca na cidade do Rio de Janeiro em direção a Guia de Pacobaíba e, de lá, tomava o trem para Petrópolis, a "cidade imperial". Tal ferrovia é, por exemplo, citada por Machado de Assis em seu livro Memorial de Aires. Foi a primeira estrada de ferro do país. Hoje, essa estrada histórica encontra-se abandonada. Inaugurado em 22 de outubro de 1949, com características do período do Estado Novo, o palácio (foto), situado à Praça Nilo Peçanha, foi construído para ser a sede da Prefeitura Municipal de Magé pelo então prefeito José Ullmann Junior (1947-1951), na presença do Governador Edmundo de Macedo Soares. O prédio está localizado em uma praça arborizada, cercada de prédios de várias épocas. O local é um ponto tradicional e de referência de moradores e visitantes do Centro de Magé. Foto: Tibor Jablonsky - acervo: IBGE.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários