Google+ Followers

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Rocha Miranda




A todos capazes ou não de perceber as necessidades que tem a parcela da sociedade carioca que habita a região na qual convencionou-se chamar de Subúrbio, falamos a partir daqui, e levantamos a questão da cultura enquanto expressão da nossa identidade, enquanto patrimônio coletivo que deve ser percebido e valorizado por todos nós, inclusive pelo poder público. Nossa luta pode ser acusada de pontual, sem importância e restritamente localizada(a Rocha Miranda) por alguns; mas para nós ela é bem ampla e diz respeito ao município como um todo.Ela de alguma forma faz referência a um determinado período carioca que gostaríamos que não fosse esquecido. Trata-se de um resgate histórico onde transitamos de um passado com o qual nos identificamos a um futuro que vislumbramos, sendo o presente o campo de construção de nossa consciência. É uma questão de identidade cultural, sem dúvida! De modo que, não apenas por Rocha Miranda, não apenas pela cultura, mas por toda nossa região e seu desenvolvimento, o “Movimento Cultural Pró Cine Guaraci” quer se apresentar na vanguarda suburbana conclamando todos à luta, à resistência cultural.
Rocha Miranda - Década de 50 em frente ao Cinema Guaraci
http://www.facebook.com/photo.php?fbid=2094467844755&set=a.2094128356268.2102816.1337071668&type=1&permPage=1




Rocha Miranda, zona norte da cidade do Rio de Janeiro, em 1954. Segundo o Sr. Joselino Cavalcante Porto, um dos fundadores do Núcleo Ecológico Pedras Preciosas (NEPP), o bairro era conhecido, nos tempos do garimpo no Rio das Pedras (rio que cruza a região), como "o bairro das pedras preciosas", e que mantém esta lembrança acesa em ruas que levam nomes das pedras, tais como as Ruas dos Diamantes, Topázios, Ônix, Ametistas, Turmalinas, Rubis e outras. A vizinhança é basicamente residencial e tem como referência a Praça 8 de Maio. A praça, anteriormente chamada de Praça das Pérolas, foi rebatizada logo após a Segunda Guerra Mundial e hoje traz no nome a data da capitulação da Alemanha, a comemoração da vitória e do fim da guerra (8 de maio de 1945). No monumento erguido, uma espécie de obelisco, a praça lembra a participação dos brasileiros (FEB) na campanha da Itália, com os nomes das cidades aonde os pracinhas brasileiros combateram e foram vitoriosos. Abriga ainda a estação de trem da Linha Auxiliar (atual Ramal Belford Roxo) que foi inaugurada em 17 de Março de 1905. Segundo o site da ANTP cultural (Associação Nacional de Transporte Público) com o nome de "Sapê" e mais tarde rebatizada como Rocha Miranda, nome dado em homenagem à família que promoveu o loteamento da região no início do século XX. Na Rua dos Topázios, bem próximo à praça, fica o prédio do antigo Cinema Guaraci (foto), que tinha 1.379 poltronas, escada de mármore carrara e colunas gregas, combinando elementos arquitetônicos de Art Nouveau e Art Déco. Foi projetado por Alcides Torres da Rocha Miranda (filho de Luiz da Rocha Miranda Sobrinho, o Barão de Bananal) e inaugurado em 1954. Hoje esta jóia arquitetônica encontra-se em total estado de abandono, tendo sido, em junho de 2006, provisoriamente tombado pela prefeitura, mas, no entanto, o tombamento não foi confirmado pela Assembleia Legislativa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários